O COACHING NO MUNDO

“Coaching é uma relação de parceria que revela e liberta o potencial das pessoas de forma a maximizar o desempenho delas. É ajudá-las a aprender ao invés de ensinar algo a elas…” (Timothy Gallwey, um dos precursores do coaching)

Origem da terminologia Coaching

O nome Coaching surgiu ainda na era medieval. O cocheiro, aquele homem que conduzia o coache (carruagem) de um ponto a outro, especializou-se e passou também a domar e treinar os cavalos para puxar seus coches. Na época, todos os festivais e competições passavam pelo cotidiano das pessoas, ou seja, envolviam cavalos e lutas. Desta maneira, nos idos dos anos 1600, com a popularização dos festivais e competições, viu-se a necessidade dos competidores também terem um treinador (coach em inglês). Assim, o técnico da competição, posteriormente o técnico de esportes, foi sendo difundido cada vez mais até os dias atuais, e foi possível perceber os benefícios de homens de negócios também terem coaches como se fossem o seu personal trainer do desempenho profissional. Se cavalos podiam produzir mais com menos esforço, e atletas conseguiam maximizar seu potencial, por que não executivos também terem o seu coach pessoal para maximizarem seus resultados em um curtíssimo espaço de tempo. Então, com o desenvolvimento de ferramentas de desenvolvimento humano, surgiu o segundo momento do coaching moderno, em que foi desenvolvido o “life coaching” ou coaching de vida.

O sucesso da técnica despertou o interesse de alguns executivos que acharam que ela poderia ser utilizada também dentro do mundo corporativo. O coaching adaptado para treinamento de executivos ficou conhecido como “executive coaching”. A partir desse momento, o coaching revelou-se como uma magnífica ferramenta de aprendizado e de desenvolvimento de competências no mundo corporativo. Segundo o jornal Folha de São Paulo, executivos que passam por sessões de coaching melhoram em até 90% sua produtividade, 80% se mostram mais abertos para mudanças organizacionais e 70% conseguem melhorar o ambiente e o relacionamento no trabalho.

O coaching também é bastante utilizado no desenvolvimento da vida pessoal, em que ao longo das sessões o indivíduo passa a descobrir o seu máximo potencial despertando sua força interior, alcançando suas metas e objetivos, e desenvolvendo uma poderosa visão de futuro, autoconhecimento e autorrealização.

NÚMEROS QUE VALIDAM O COACHING NO MUNDO:

• Nos EUA, segundo o jornal Executive Channel, mais de 40% dos executivos já passaram pelo processo de Coaching. O método é tão difundido, que muitas empresas oferecem o serviço de Coaching como benefício do cargo.

• Segundo a Revista Fortune, mais de 40.000 executivos possuem coaches nos EUA.

• De acordo com a Bristol University 88% das organizações utilizam Coaching no Reino Unido.

• O Inside Business Channel aponta que 70% das empresas australianas contratam Coaches.

• Uma recente pesquisa da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, PUC-Campinas, realizada com 10 executivos que passaram pelo processo de Coaching, 100% aperfeiçoaram a capacidade de ouvir, 80% melhoraram a flexibilidade, 80% aprenderam a aceitar melhor as mudanças e 70% evoluíram a capacidade de se relacionarem. (Fonte: Revista Você S/A)

• Executivos que passaram pelo treinamento de Coaching melhoraram 90% a produtividade, 80% se mostram mais abertos a mudanças organizacionais e 70% conseguiram
melhorar o ambiente e o relacionamento no trabalho. (Fonte: Folha de São Paulo)

• Um estudo publicado no Public Personnel Management Journal concluiu que os executivos que participaram de treinamentos gerenciais aumentaram em 22,4% sua produtividade. E, aqueles que tiverem Coaching, após esse mesmo treinamento, aumentaram sua produtividade em 88%.

• No estudo da Fast Company descobriu-se que 43% dos CEO’s e 71% dos altos executivos já trabalharam com um coach. Além disso, 63% das organizações têm planos
de aumentar a utilização do Coaching, e mais 92% dos lideres que atuaram com Coaches planejam recontratar ou continuar o trabalho.

• Um estudo feito pela Manchester Inc. mostra que a média do retorno de investimento em trabalhos de Executive Coaching é de 5,7%, apresentando melhoria significativa nos resultados da organização com o aumento nos lucros de 22% e a melhoria na satisfação dos clientes em 39%.

• Segundo publicação da revista Fortune 500, mediante um estudo com 100 executivos, o Coaching é uma ferramenta de desenvolvimento que quintuplica o valor investido.

Por que estudar na febracis?

Veja mais